Rentabilidades em Renda Fixa

quinta-feira, 2 de março de 2017

Rentabilidades em Renda Fixa

Rentabilidade Bruta, Nominal, Líquida, Real... ?

Entendendo as diferentes rentabilidades & Como calcular a rentabilidade que interessa.


É comum o entendimento de que a rentabilidade se refere ao ganho do investimento mas quando precisamos comparar diferentes investimentos, é necessário entender bem os conceitos de rentabilidade bruta, rentabilidade líquida e rentabilidade real.


  • A rentabilidade bruta é o rendimento total, sem descontar os impostos, taxas, custos etc.
  • A rentabilidade líquida é a bruta descontadas as taxas, IR etc.
  • A rentabilidade real é a líquida descontada a inflação do período do investimento.

A rentabilidade real é o que você realmente coloca no bolso (sem taxas e sem inflação).


O imposto de renda sobre aplicações financeiras de renda fixa segue uma tabela regressiva na qual a alíquota inicia em 22,5%, chegado a 15% em um período de investimento superior a 2 anos:

Aplicações com prazo: Imposto de Renda:
De até 180 dias
22,5%
De 180 até 360 dias
20,0%
De 360 até 720 dias
17,5%
Acima de 720 dias
15,0%

Algumas aplicações possuem como componente do seu rendimento a inflação do período de modo a ficarem protegidas no caso de uma grande variação da mesma. Por isso, essas aplicações são bem vistas para o longo prazo. Vamos usá-las como exemplos:


(1) Tesouro IPCA+ com vencimento em 2035 e taxa de 5,10%;
(2) Debênture CEMIG c/ taxa IPCA + 9,6% e vencimento em 1446 dias.

A rentabilidade bruta do investimento (1) seria fruto da multiplicação do IPCA pela taxa (1 + IPCA) * (1 + Taxa). Supondo o IPCA de 5%, teríamos a rentabilidade = 1,05 x 1,051 = 1,1035 ou 10,35%.

De forma análoga, a rentabilidade bruta da debênture (2) seria = 1,05 x 1,096 = 1,1508 ou 15,08%.

Considerando que tais investimentos são de longo prazo, a alíquota do IR será de 15% em cima dos rendimentos.  Multiplicamos por 0,85 que é 1 menos os 15%.

Ignorando as taxas de custódia do TD para simplificar,
A rentabilidade líquida de (1) será de 10,35% * 0,85 = 8,79%
A rentabilidade líquida de (2) será de 15,08% * 0,85 = 12,81%


Obs.: Não se pretende aqui comparar os investimentos (1) e (2) que são completamente distintos em se tratando de liquidez, prazo de investimento, exposição a risco etc. A ideia é somente aproveitá-los para se exercitar os cálculos de rentabilidade.  Fim da Obs.

A rentabilidade real de (1) será a sua rentabilidade líquida descontada a inflação:
(1+0,0879) / (1+0,05) = 1,036 → Rentabilidade real de 3,6%

Já em (2) temos (1+0,1281) / (1+0,05) = 1,074 → Rentabilidade real de 7,4%

Ou seja,  
  • em (1) a rentabilidade bruta era de 10,35% enquanto a real era de 3,6%.
  • em (2) partiu-se de uma rentabilidade bruta de 15,08% para se chegar a rentabilidade real de 7,4%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário